1 de set de 2009

4ª MOSTRA DO MUNDO ÁRABE DE CINEMA: PRODUÇÕES DA TUNÍSIA, EGITO, LÍBANO E IRAQUE ATÉ 13 DE SETEMBRO

Povos de São Paulo, tribos do mundo

Tudo bem, temos comentado muito a programação de cinema da cidade – festival de curtas, cinema argentino, israelense e palestino etc. Mas não dá pra fugir do assunto com tantas mostras tão bacanas acontecendo. Agora é a vez da 4ª mostra Mundo Árabe de Cinema, realizada pelo Instituto de Cultura Árabe em parceria com o CineSESC, Casa Árabe de Madri-Espanha entre outros.

Esta edição, com produções da Tunísia, Egito, Líbano e Iraque, traz a guerra e o deserto como temas, além de retratar, claro, a luta do próprio cinema do mundo árabe atual. Imaginem como é fazer cinema no Iraque… Pois algumas das películas mais interessantes, seja documentário ou ficção, são produções iraquianas realizadas a partir da ocupação norte-americana.

“Sobre Bagdá” é um documentário de 2004, onde o diretor, o poeta Sinan Antoon, retorna à capital iraquiana após décadas de guerras e violência. O foco é o que pensam e sentem os iraquianos sobre a ocupação norte-americana e a complicadíssima relação entre Iraque e Estados Unidos.

“Underexposure” (2005), “Iraque em fragmentos” (2006) e a “A vida após a queda” (2008) estão entre outros títulos que refletem, de diferentes modos, a vida e o pensamento dos iraquianos depois do fim de Saddam Hussein, há seis anos.

A trilogia do deserto


Um dos destaques da mostra Mundo Árabe de Cinema são as produções do diretor tunisiano Nacer Khemir, também escritor, poeta e contador de estórias.

A beleza do deserto e narrativas influenciadas pelas riquíssimas estórias árabes - como As Mil e Uma Noites - são o eixo da trilogia ficcional “Andarilhos do deserto” (1984), “O colar perdido da pomba” (1991) e “Baba Aziz” (2006). Nacer Khemir é elogiadíssimo (leia mais sobre os diretores no site oficial da mostra) e “Baba Azia” foi o filme de abertura da 4ª edição da mostra Mundo Árabe de Cinema, no CineSesc.

Cinema oriental é maravilhoso, mas vítima dos preconceitos de quem só gosta de produção “americanóide”, ou daqueles que dizem que filme iraniano é pra intelectualóide e por aí vai. Mentira e injustiça. O ritmo, as temáticas, abordagem e sensibilidade dos filmes orientais são outras, são diferentes - óbvio e simples!!!

Então, se você está entre os que tem preconceito, abandone esta praga e aproveite a oportunidade: a 4ª mostra Mundo Árabe de Cinema vai até 13 de setembro no CineSesc, Centro Cultural São Paulo, Galeria Olido e no Esporte Clube Sírio.

Acesse o site oficial da Mostra Árabe de Cinema

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).