8 de mar de 2009

PROTESTO REÚNE 400 CONTRA A FOLHA DE S.PAULO

SOS São Paulo – A cidade em nossas mãos
Ato Abaixo a ditabranda

Em polêmico editorial, Folha de S.Paulo afirmou que os 21 anos de ditadura brasileira foram “ditabranda”

O ato “Abaixo a ditabranda”,  reniu cerca de 400 pessoas na manhã de sábado (07.03) em frente a sede do jornal Folha de S.Paulo, na rua Barão de Limeira (Campos Elísios, região central paulistana).

O protesto foi contra a palavrinha “ditabranda”, publicada no editorial “Limites à Chavez”, em 17 de fevereiro. A iniciativa foi organizada pela ONG Movimento dos Sem Mídia, de Eduardo Guimarães.

O editorial fazia uma crítica ao resultado do referendo realizado recentemente na Venezuela, que permitirá, indefinidamente, a reeleição para presidente no país. O referendo foi aprovado por livre e espontânea vontade dos venezuelanos.

A questão é que o período de ditadura militar vivido pelos brasileiros entre 1964 e 1985 – 21 anos ao todo – foi classificado pela Folha de S.Paulo entre "as “ditabrandas’ (de) países que partiam de uma ruptura institucional e depois preservavam ou instituíam formas controladas de disputa política e acesso à Justiça(…)”.

Jornalistas, professores, a dvogados, entidades de defesa dos direitos humanos, ex-presos políticos e vários outros leitores ficaram indignados com a tal “ditabranda” publicada pela Folha. Deve ter chovido e-mails xingando a famílias Fria, dona da Folha, e também o infeliz editorialista.

O primeiro leitor a ter sua carta publicada foi Sérgio PinheiroEduardo Guimarães, do Movimento dos Sem Mídia Lopes, que simplesmente questionou “quantos mortos, desaparecidos e expatriados são necessários para uma ‘ditabranda’ ser chamada de ditadura?”.

E aí, acreditem, em sua resposta a Pinheio Lopes, publicada no Painel do Leitor, a Folha de S.Paulo afirmou sem pestanejar que “na comparação com outros regimes instalados na região no período, a ditadura brasileira apresentou níveis baixos de violência política e institucional”.

Para Folha, indignação de leitores foi “cínica e mentirosa”

Depois, ao publicar manifestações de repúdio dos professores da Universidade de São Paulo,  Fabio Konder Comparato e Maria Victoria Benevides, o jornal publicou a seguinte nota da redação:

“a Folha respeita a opinião de leitores que discordam da qualificação aplicada em editorial ao regime militar brasileiro e publica algumas dessas manifestações (...) Quanto aos professores Comparato e Benevides, figuras públicas que até hoje não expressaram repúdio a ditaduras  de esquerda, como aquela ainda vigente em Cuba, sua ‘indignação’ é obviamente cínica e mentirosa”

A rua Barão de Limeira deveria ter recebido umas 10 mil pessoas no ato “Abaixo da ditadura”, no mínimo.

300 ou 400 pessoas em frente à sede da Folha nos mostra que os jovens brasileiros não estão aprendendo história. E o mais velhos perderam a memória.

Faz só 24 anos que a ditadura acabou e ninguém mais se lembra das pessoas mortas, torturadas, estrupradas, das famílias dizimadas.

As pessoas se esqueceram dos exilados, de vidas covardemente destruídas. Mortos esquartejados, corpos desaparecidos e sem sepultura. Mães que sequer tem onde velar seus filhos perdidos.

Quantos aqui sabem o que foi a guerrilha do Araguaia? Ou quem foi Emílio Garrastazu Médici? E como morreu David Capistrano? E como jornalista Wladimir Herzog se “suicidou” numa cela do DOI-Codi?

Sergio Pinheiro Lopes
Em frente da seda da Folha de S.Paulo, o leitor Sérgio Pinheiro Lopes (acima) discursou: 
“Escrevi  carta por um motivo básico: eu não queria que meus filhos e netos, que não viveram nesse tempo (da ditadura), fossem sujeitos   a uma falsa interpretação da história. Minha mão deu sorte aquele dia”.

E finalizou: “Ditadura é ditadura, ‘ditabranda’ é a p…”.

Texto/fotos: Flaviana Serafim e Gladstone Barreto

4 comentários:

  1. Jader, Renan, Maluf, Collor, Sarney, Pitta, Naya, Garotinho, Roriz.
    Essa brava gente brasileira.
    Com uma paulada dessas na cara da gente, e diariamente, quem vai se lembrar dos anos da ditadura? ELES detém o poder e é agora!
    Se NINGUÉM se indigna de verdade com essa brava gente brasileira, quem vai se indignar com uma saraivada de palavras de um jornalista fascista?
    Quem? De 200 milhões de brasileiros, 400 - e acho que todos moravam perto.
    400 pessoas é o 5o. andar do Edifício Copan.

    ResponderExcluir
  2. 25 anos de democracia, certíssimo.
    Tem a moça de 15 anos que ficou trancada numa cela com trocentos caras no Pará.

    Desenha que não entendi, senhores do politburo:
    Isso é democracia?
    Então tá.

    ResponderExcluir
  3. Mauro Saltino dos Santos9 de março de 2009 14:36

    Em!!!Quem são estes caras???!!!

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente, esse papo de ditadura no Brasil (e outros países do mundo) já encheu o saco! Nosso querido "filho-da-ditadura" Fernando Henrique Cardoso não teve peito prá levar esse assunto a fundo, muito menos outras pessoas que sempre projetaram seus ideais contra esse passado nefasto que manchou páginas de nossa história. masx, cá entre nós, nossa história está conspurcada por mais de 500 anos mal conformados, e então!?!?!? Seria preciso "ressuscitar" todos os algozes que vilipendiaram nosso passado... mas, e os que ainda estão vivos, hein!? Por que será que ninguém ousou colocá-los no banco de réus, hein!? São tão importantes assim? Tem muitos que ainda estão por aí, bem vivinhos, bem aposentados, e desfilando com seus ares de autoridade, como se ainda fossem amparados por um sistema que deixou (deixou!?) de existir...

    Na verdade, nossos parlamentares continuam fazendo o que nossos politicos sempre fizeram: POLITICALHA - isso sempre "rendeu" e sempre "renderá"!!! É só encher os pulmões, soltar um manancial de palavras engajadas, bem colocadas e "bonitinhas" (o povão gosta disso!!!) e deixar 'rolar'... Depois, o tempo faz o resto, ou seja, nada!!! resta a polpuda aposentadoria que já deverá estar chegando... E os tais canalhas continuam por aí, a solta, jeitão de respeitadores e com um palavreado típico do "ufanismo podre", tipo "antigamente não era assim..." (manjam esse papo!?), mas o que o povo esquece é que canalhas também envelhecem e continuam por aí com carinha de anjo e cabelinhos brancos - sinal de respeito! Aff, isso não tem jeito, infelizmente, e como não sou demagogo, fico por aqui!

    "E vida longa aos celtas!!!"
    www.borradordeideias.blogspot.com
    www.agrutadosol.com.br
    www.carmotavares.blogspot.com

    ResponderExcluir

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).