21 de jul de 2009

E O PEDESTRE? “QUE SE DANE!”

SOS São Paulo – A cidade em nossas mãos

Domingo (19/07), dia de comércio fechado. Dia perfeito para reformas e outros serviços nos prédios do centro de São Paulo.

Nesta obra em frente à Praça da República, num edifício sobre o Banco Santander, um caminhão fica estacionado por horas para descarregar grama e sacos de areia. Atrás, mais duas caçambas cheias de entulho. A calçada também está ocupada para o descarregamento dos materiais. Sinalização??? Nenhuma.

E o pedestre? Por onde passa o cidadão, se a calçada está ocupada e não há espaço reservado e sinalizado para travessia segura? “Ah, o pedestre vai pelo meio da rua mesmo!” – deve ser essa a norma na empresa que realiza a obra no local… E há muitas empresas na cidade com a mesmíssima “orientação”.

E o pedestre? “Que se dane!”…

Acesse outras imagens no nosso FLICKR – álbum SOS São Paulo

Foto: Gladstone Barreto. Foto: Gladstone BarretoFoto: Gladstone BarretoFoto: Gladstone Barreto 

Texto: Flaviana Serafim Fotos: Gladstone Barreto

Um comentário:

  1. Na Europa e em cidades japonesas com centros historicos centenarios, percebe-se que as cidades do seculo XIX para cá são feitas para carruagens, automotivas ou cavalariças, com suas ruas largas.
    Com Napoleão Bonaparte e as reformas magistrais em Paris é que temos o advento das maravilhosas calçadas parisienses, oxalá copiadas nos bulevares do mundo todo.
    Mas as cidades muradas europeias e asiaticas e outros vilarejos com datas inferiores ao seculo 17 são ruas estreitas feitas para pedestres.
    De lá pra cá, numa graduação quase imperceptivel, as ruas foram alargando para os carros.
    E nunca mais as cidades foram humanas.

    ResponderExcluir

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).