7 de out de 2009

DIZER ADEUS ÀS SACOLAS PLÁSTICAS É MAIS FÁCIL DO QUE SE IMAGINA

Cidadania, meio ambiente e inclusão

Sacolas plásticas levam mais de 100 anos para se decompor. Trocá-las é simples e fashion

Certa vez, quando fazíamos a trilha Lençóis-Vale do Capão, na Chapada Diamantina (BA), avistamos uma sacola plástica presa no alto de uma árvore. Estávamos no meio do nada, entre os gerais chapadenses.

Nosso guia, um nativo pra lá de engajado nas causas ambientais, desviou o caminho para pegar aquela sacola e tirá-la da bela paisagem baiana. Ele nos contou que era comum ver aquele rastro dos turistas mal educados.

No concreto paulistano, as sacolas plásticas também parecem "dar em árvores" tamanha é sua proliferação pela cidade. Quantas vezes por mês você vai ao supermercado?

Em nossa casa, não é raro irmos até duas vezes por dia comprar alguma coisa na esquina, seja na padaria, no supermercado, na lojinha de R$ 1,99 ou no hortifruti.

Se em cada uma dessas compras usarmos duas sacolinhas (ou quatro quando o material é muito fraco e rasga fácil), diariamente voltaremos para casa com mais de meia dúzia das malditas sacolas plásticas.

Sim, malditas porque levam mais de 100 anos para se decompor e, numa cidade com milhões de consumidores como São Paulo, imaginem o tamanho do impacto ambiental.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil produz cerca de 12 bilhões de sacolas plásticas por ano, sendo que 80% são distribuídas pelos supermercados. A estimativa é de que 33 milhões são utilizadas por dia em todo o país!

Depois carregar as compras, muitas sacolas vão para o cesto da cozinha ou do banheiro no lugar do tradicional saco de lixo. Com esta atitude, muitos podem pensar que estão ajudando o meio ambiente já que a sacola foi "reaproveitada". Engano terrível, porque as sacolinhas acabam se multiplicando nos aterros sanitários.

"Ecobag", sacola de feira ou de pano:
Faz bem ao meio ambiente e é super fashion

Há alguns meses, nossa vizinha nos deu duas belas sacolas de algodão cru, com alças verdes e tamanho ideal para compras do cotidiano. Dá até para deixar a bolsa em casa e carregar a carteira numa delas. Assim, começamos a dizer adeus à maldição das sacolas de plástico.

Com suas listras coloridas, a boa e velha sacola de feira, hoje encontrada em diferentes tamanhos e também com alças mais longas, virou acessório fashion. É verdade que a clássica sacola de feira é feita de material plástico, mas é "retornável" e dura anos, anos e anos...

Também é possível usar uma ecobag, à venda nos próprios supermercados com modelos mais simples, ou comprar alguma mais elaborada feita em patchwork, por exemplo (neste caso, duplamente ecológica, já que a técnica artesanal do patchwork utiliza sobras de tecido). Quem sabe costurar pode fazer sua própria ecobag (acesse SAIBA COMO FAZER UMA ECOBAG EM 13 PASSOS)

Vale até mochila, bem bacana quando é necessário levar coisas mais pesadas (mas cuidado com a coluna!). Há outra alternativa, principalmente para vai às compras com carro: caixas de papelão, práticas porque dá pra guardar tudo bem rápido e é fácil para organizar no bagageiro.

Quem tem pavor da sacola de feira, pode usar as sacolas feitas de algodão mesmo. Estas tem a vantagem de caber até dentro da bolsa, bem dobradinhas. Aí não tem desculpa, né? Dá pra usar a sacola retornável e ecologicamente correta sempre.

Saiba mais:
COMO FAZER UMA ECOBAG EM 13 PASSOS - pra quem sabe costurar, aproveite e crie sua própria ecobag.
SACO É UM SACO - site da campanha do Ministério do Meio Ambiente, com ótimo material de divulgação: cartazes, apresentações, spots e vídeos pra te convencer de que saco é mesmo um saco!

Leia também:
TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DO LIXO
QUANTO TEMPO DURA UMA PILHA NO MEIO AMBIENTE?
DESCARTE DE PILHAS E BATERIAS: COMO COLABORAR
PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: O QUE PODEMOS FAZER EM NOSSA CIDADE
COMO VOCÊ DESCARTA ÓLEO DE COZINHA?

Texto: Flavina Serafim - Fotos: ecobag do site Chácara de Orgânicos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).