2 de fev de 2010

NA VOLTA PARA “CASA”, VEREADORES DEBATEM ENCHENTES (MAS ESQUECEM DAS SOLUÇÕES…)

SOS São Paulo – A cidade em nossas mãos

Depois que muitas águas rolaram em Sampa – levando casas, colchões, cachorro velho, crianças, adultos e idosos arrastados nas enxurradas ou enterrados vivos sob desabamentos, nosso vereadores voltam à Câmara Municipal e discutem as enchentes.

Como preferimos não nos irritar ainda mais – nem bater naquela mesma tecla de “descaso” e blá, blá, blá, vamos só reproduzir abaixo o conteúdo publicado pelo site da Câmara, um resumo da primeira sessão plentária de 2010. Palavras, palavras, palavras… Solução?????

02/02/2010 - 18:08 
Plenário - Vereadores debatem problemas das enchentes em São Paulo
”Durante a sessão plenária, parlamentares apresentaram sugestões para combater os alagamentos

Vereador Ítalo Cardoso ressalta a necessidade de um amplo debate com especialistas em urbanismo

Foto: Evelyn Ruman - Câmara Municipal de São Paulo Na retomada da sessão plenária, nesta terça-feira (02/02), os parlamentares realizaram um minuto de silêncio pelo falecimento do ex-vereador Luiz Tenório de Lima. Os vereadores também recordaram o trabalho da médica sanitarista Zilda Arns, que faleceu em missão humanitária no Haiti. As 64 vítimas das enchentes da cidade de São Paulo também foram lembradas.

Confira os pronunciamentos dos vereadores que fizeram uso da palavra no Pequeno e no Grande Expediente da sessão ordinária, realizada no Plenário 1º de Maio.

Pequeno Expediente
Goulart (PMDB) lamentou os transtornos causados pelas fortes chuvas na cidade de São Paulo e demonstrou seu pesar pelas vítimas.

Ítalo Cardoso (PT) também recordou as tormentas dos últimos 40 dias. O parlamentar reforçou a importância de um amplo debate para ajudar a resolver o problema. “A cidade mostrou o seu despreparo para enfrentar fortes chuvas.”

Jamil Murad (PCdoB) reforçou a necessidade de debater com especialistas os problemas das enchentes.

João Antonio (PT) comentou sobre o reajuste do IPTU em São Paulo; em sua opinião “foi um aumento exagerado.”

Jooji Hato (PMDB) relembrou as tragédias do início do ano em São Luiz do Paraitinga e em Angra dos Reis. E também pediu: “que São Paulo aplique a Lei que exige o uso de pisos drenantes e estruturas de infiltração de águas de chuvas para o subsolo em estabelecimentos comerciais, industriais e grandes conjuntos residenciais.”

José Américo (PT) criticou a falta de obras no município. “O maior problema é que faltam obras para conter enchentes, não há limpeza condizente. Claro que não é problema só de um governante; mas o Serra, por exemplo, só construiu um piscinão.”

Grande Expediente
Natalini (PSDB) lembrou a importância da convenção do clima realizada em dezembro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca. “Muitos dizem que o encontro foi um fracasso, já que China e Estados Unidos, que são os grandes poluidores do mundo, não aceitaram acordos.”

João Antonio (PT) falou da obra de expansão da Marginal Tietê, “que está tornando a cidade ainda mais impermeável.” O vereador também questionou: “como o governo está encarando estrategicamente os problemas das enchentes? Há falta de intervenção do Executivo em diversos lugares de São Paulo, em que o leito do Rio está acima do normal.”

Marco Aurélio Cunha (DEM) se solidarizou e relatou as dificuldades enfrentadas pelas vítimas das inundações. “O governo municipal tem feito de tudo para amenizar os problemas destas famílias.”

Floriano Pesaro (PSDB) falou do projeto de lei de sua autoria que foi sancionado pelo prefeito Kassab. A Lei 15.092 diz que as concessionárias de serviço de coleta de lixo na cidade serão obrigadas a informar aos munícipes os respectivos horários de coleta e transporte dos resíduos sólidos. “Os próprios moradores serão os vigilantes da limpeza.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).