26 de mar de 2009

CONHEÇA ALGUMAS PRODUÇÕES BRASILEIRAS NO “É TUDO VERDADE”

Povos de São Paulo, tribos do mundo

Leia também EM CARTAZ: FESTIVAL DE DOCUMENTÁRIOS “É TUDO VERDADE”

Conheça algumas das produções brasileiras exibidas no festival deste ano (e clique aqui para conhecer todos os títulos)

Garapa, de
Garapa José Padilha
A fome que, segundo dados da ONU, afeta em torno de 920 milhões de pessoas no mundo, aflige cerca de 11 milhões de brasileiros. Apesar de programas assistenciais do governo, diversas famílias vivem ainda o pesadelo diário da falta de proteínas, o que as leva a recorrer à garapa – uma prosaica mistura de água morna e açúcar – para enganar o estômago, especialmente o das crianças. É o caso de Robertina, mãe de 11 filhos, e Rosa, de três, que vivem em Choró, zona rural do Ceará, num ambiente em que se somam o desemprego, a ignorância, a falta de higiene, educação e esperança. Não é muito distinto o dilema de Lúcia, moradora da periferia de Fortaleza, suas três filhas, uma com desnutrição severa, e um marido alcoólatra e com problemas mentais”. 
CineSesc: 03/04 - 21H00; 04/04 - 15H00

Rita CadillaRita Cadillac, a Lady do Povoc, a Lady do Povo, de Tony Venturi
Perfil da vedete, rainha dos caminhoneiros, garimpeiros e madrinha dos presidiários
Cinemark Eldorado: 01/04 – 19H30

Entre a Luz e a Sombra, de Luciana Burlamaqui
Sete anos de convivência entre umEntre a Luz e a Sombraa atriz e voluntária social e uma dupla de rappers formada dentro da prisão

Cinemark Eldorado: 02/04 – 19h30

Ôrí
Ôrí, de Raquel Gerber 
Produzido ao longo de 11 anos entre o Brasil e a África Ocidental – Senegal, Mali e Costa do Marfim –, o filme da socióloga e cineasta Raquel Gerber traça um panorama dos movimentos negros nacionais a partir dos anos 70. O fio condutor é a trajetória da ativista e historiadora Beatriz Nascimento, que busca sua identidade através da  pesquisa da história dos quilombos. Identificando-os como estabelecimentos guerreiros e de resistência cultural, da África do século XV ao Brasil do século XX, permite-nos acompanhar as transformações desenvolvida s pelas culturas negras transplantadas à força para o País no contexto de mais de dois séculos de escravidão e de uma abolição sem retaguardas para os novos cidadãos
CineSesc 27/03 - 19H00; 29/03 – 17H00; 30/03 – 19H00

Chapa, de Tatiana ToffoliChapa
Uma fogueira na marginal, um homem acena para o caminhão. Ao seu lado, uma placa indica: CHAPA. Ele entra na boléia e mostra o caminho para o motorista.  Ele faz isso todos os dias e reza pra tudo dar certo

CineSesc: 01/04 – 19H00
Centro Cultura Banco do Brasil: 04/04 – 17H00; 05/04 – 15H00

Endereços

CineSesc
Rua Augusta, 2075 - Telefone: 3087-0500 - 326 lugares

Cinemark Eldorado
Av. Rebouças, 3.970, loja 410 – Pinheiros - Telefone: 2197-7472 - 265 lugares

Centro Cultural do Banco do Brasil
Rua Álvares Penteado, 112 - Centro - Telefone: (11) 3113-3651 / 3113-3652 - 110 lugares

Fonte: site oficial É Tudo Verdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).