10 de nov de 2009

LIXO ELETRÔNICO TAMBÉM PODE SER RECICLADO

Cidadania, meio ambiente e inclusão

Leia também:
SAIBA ONDE DESCARTAR O LIXO ELETRÔNICO

O computador ficou velho com os Giga e Terabytes. O monitor está pequeno. A impressora faz barulho demais. Você trocou seu micro ultrapassado por um novo e não sabe o que fazer com a máquina velha? É simples: RECICLE. O lixo eletrônico pode ser reaproveitado a partir da doação de equipamentos, que podem ser obsoletos para alguns, mas úteis para muita gente.

Televisores, aparelhos de DVD, videocassetes e celulares; cartuchos e tonners de impressoras; placas diversas, hard disk (HD’s), mouse, teclado, monitores e fontes de computadores e laptops; máquinas de calcular e escrever, video games. Todo esse lixo eletrônico é aceito por diversas organizações não governamentais, associações, fundações, hospitais e até um museu – o Museu do Computador

Brasil: 20 a 50 toneladas de lixo eletrônico por ano

Foto: Natalie Behring/Greenpeace 
Anualmente, o Brasil produz de 20 a 50 toneladas de lixo eletrônico, de acordo com pesquisa do Greenpeace. Imaginem o impacto ambiental de todo esse volume, desde a contaminação do solo e água por metais pesados até o tempo de decomposição dos materiais.

Existem algumas poucas empresas que recolhem lixo eletroeletrônico, separando os componentes e encaminhando para reciclagem. Uma delas é a Cimelia, multinacional com sede em Campinas.

Sem programas específicos ou políticas públicas que estimulem o descarte correto, a porcentagem de reaproveitamento dos eletroeletrônicos é mínima diante dessa verdadeira montanha de lixo.

O gráfico abaixo foi criado pelo GRID (Global Resource Information Database, ou banco de dados de informações sobre recursos), ligado a um programa ambiental das Nações Unidas. Os dados que mostram a porcentagem da composição do lixo eletroeletrônico são de 2006.


imagePerigo no solo, na água, no ar
Os equipamentos eletroeletrônicos tem componentes recheados de metais pesados, substânticas tóxicas que causam inúmeras doenças como o câncer.

Espalhado pelos lixões, o lixo eletroeletrônico despeja seus metais pesados, contaminam o solo, chegando até o lençol freático e mananciais.  Daí, num ciclo devastador, terra e água atingem animais, plantas e, claro, nós mesmos. Na queima, ar fica poluído e contaminado.

Outra forma de contaminação é das pessoas que, sem os cuidados necessários, trabalham na recuperação dos eletroeletrônicos.

Doenças causadas por metais pesados
No site do Mutirão do Lixo Eletrônico, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, alerta para os perigos e doenças provocados pelos metais pesados. Se faltam argumentos para você colaborar com a reciclagem, não faltarão mais:

  • Chumbo – provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumula-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado e rins; causa dores de cabeça e anemia, mesmo em baixas concentrações; age no sistema nervoso, renal e hepático.
  • Cobre – causa intoxicações; afeta o fígado.
  • Mercúrio – altamente tóxico, concentrações entre 3 g e 30 g podem ser fatais ao homem; é de fácil absorção por via cutânea e pulmonar; tem efeito cumulativo; provoca lesões no cérebro; tem ação teratogênica - malformação de fetos durante a gravidez.
  • Cádmio – acumula-se nos rins, fígado, pulmões, pâncreas, testículos e coração; causa intoxicação crônica; provoca descalcificação óssea, lesões nos rins e afeta os pulmões; tem efeito teratogênico e cancerígenos.
  • Bário – tem efeito vasoconstritor, eleva a pressão arterial e age no sistema nervoso central; causa problemas cardíacos.
  • Alumínio – favorece a ocorrência do mal de Alzheimer e tem efeito tóxico sobre as plantas.
  • Arsênio – acumula-se nos rins, fígado, sistema gastrointestinal, baço, pulmões, ossos e unhas; pode provocar câncer da pele e dos pulmões, anormalidades cromossômicas; tem efeito teratogênicos.
  • Cromo – acumula-se nos pulmões, pele, músculo e tecido adiposo; pode causar anemia, afeta o fígado e os rins; favorece a ocorrência de câncer pulmonar.
  • Níquel – tem efeito cancerígeno.
  • Zinco – entra na cadeira alimentar afetando principalmente os peixes e as algas.
  • Prata – tem efeito cumulativo; 10 g de nitrato de prata é letal ao homem.


Lei estadual regulamenta descarte correto do lixo tecnológico
Em julho deste ano, o governador José Serra sancionou a lei 13.576 (clique aqui para acessar), de autoria do deputado Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), criando normas e procedimentos para reciclagem, gerenciamento e destinação final do lixo tecnológico.

Além de regulamentar o descarte correto desse tipo de lixo, a lei estabelece dois pontos importantes: a embalagem ou rótulo dos eletroeletrônicos comercializados em São Paulo deve advertir o consumidor para que os produtos não sejam descartados em lixo comum, bem como orientar sobre os postos de entrega do lixo tecnológico com endereço e telefone de contato dos responsáveis pelo descarte. A idéia é boa. Se está sendo cumprida efetivamente…É bom conferir.

Blog Lixo Eletrônico reúne boas informações
Encontramos ótimas informações sobre a reciclagem no blog http://www.lixoeletronico.org/. Há notícias, estudos, projetos, links úteis e orientações relativas ao lixo eletrônico. Vale a pena acessar. 

Leia também:
SAIBA ONDE DESCARTAR O LIXO ELETRÔNICO
TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DO LIXO
QUANTO TEMPO DURA UMA PILHA NO MEIO AMBIENTE
DESCARTE DE PILHAS E BATERIAS: SAIBA COMO COLABORAR
COMO VOCÊ DESCARTA ÓLEO DE COZINHA
ECOPONTOS – SOLUÇÃO GRATUITA PARA DESCARTE DE ENTULHO

Texto: Flaviana Serafim e Gladstone Barreto Fontes: Secretaria Estadual do Meio Ambiente, blog Lixo Eletrônico, Greenpeace e Idec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva seu comentário abaixo e clique em "Nome" no Perfil (não é necessário colocar a URL).